Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Estado e Assembleia lançam primeira etapa da campanha Valores que Ficam 2021

Publicação:

Governador Leite, ao lado do presidente da Assembleia, deputado Gabriel Souza, participou do lançamento da campanha
Governador Leite, ao lado do presidente da Assembleia, deputado Gabriel Souza, participou do lançamento da campanha - Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

O governo do Estado e a Assembleia Legislativa deram início, nesta terça-feira (30/3), à primeira etapa da campanha Valores que Ficam 2021. Até o dia 30 de abril, os gaúchos poderão destinar até 6% do valor do Imposto de Renda para entidades beneficentes do Estado. O lançamento da campanha foi transmitido nas redes sociais da Assembleia Legislativa e na TV Assembleia.

Por meio da iniciativa, é possível ajudar a transformar a vida de milhares de crianças, adolescentes e idosos, sem custos adicionais para o cidadão. Na terceira edição, a iniciativa visa estimular pessoas físicas e jurídicas a destinarem até 6% do Imposto de Renda para entidades beneficentes do Rio Grande do Sul. Basta indicar a opção ao fazer a declaração completa do Imposto de Renda Pessoa Física.

“O Executivo se associa com muita alegria a essa causa porque é, em parte, gerenciador também dos recursos desses fundos, com a participação da sociedade e das prefeituras. A Assembleia cumpre seu papel, como a casa do povo, fazendo saber dessa oportunidade de deixarmos esse recurso no Estado para, assim, sensibilizar mais e mais gaúchos para que possamos obter melhor resultado nesta campanha. Esses valores que ficam, que começam por esse ato de engajamento e solidariedade, também podem significar a oportunidade, por meio de tantos projetos sociais, o resgate da dignidade, a proteção de crianças e o tratamento digno de idosos depois de tantos serviços prestados à sociedade”, destacou o governador Eduardo Leite.

A Campanha Valores que Ficam, iniciada em 2019, é uma iniciativa da Assembleia Legislativa em parceria com a Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH). Os valores são repassados integralmente a entidades sociais cadastradas nos municípios e com projetos assistenciais aprovados.

“Esse programa tem uma causa nobre do ponto de vista de colaborar em especial com os fundos da Criança e Adolescente e do Idoso para que o poder público gaúcho, de forma geral, por meio dos municípios e do Estado, possa organizar políticas públicas voltadas a esses setores com a destinação dos recursos do Imposto de Renda. Nosso propósito é nobre e não onera o contribuinte”, destacou o presidente da Assembleia, deputado Gabriel Souza.

É possível dividir o percentual a ser destinado. Os gaúchos, ao declararem o Imposto de Renda, podem destinar até 3% para o Fundo da Criança e do Adolescente e até 3% para o Fundo da Pessoa Idosa até o dia 30 de abril, quando encerra o prazo de declaração.

Em 2020, foi registrado um aumento de 21% nas destinações de Imposto de Renda em relação ao ano anterior. Mais de R$ 17 milhões foram arrecadados para o Fundo da Criança e do Adolescente e para o Fundo da Pessoa Idosa.

O projeto tem apoio do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas do Estado do Rio Grande do Sul (Sescon-RS), do Conselho Regional de Contabilidade (CRC-RS), da Receita Federal, e de outras entidades.

O secretário de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Mauro Hauschild, o superintendente adjunto da Receita Federal, Ademir Gomes Oliveira, a presidente do CRC-RS, Ana Térsia Lopes Rodrigues, e o presidente do Sescon-RS, Célio Luiz Levandovski, também participaram do evento.

Clique aqui para saber como participar da campanha.

Texto: Suzy Scarton
Edição: Marcelo Flach/Secom

SJCDH - Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos