Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

RS Sem Drogas

O fenômeno das drogas na sociedade hoje não tem idade, não tem rosto e nem motivo específico. Qualquer um, o seu amigo, seu vizinho, conhecido ou familiar pode estar tendo um problema com as drogas, e você talvez nem saiba. É importante entender o que as drogas podem fazer às pessoas com as quais nos importamos, e como podemos ajudá-las.

Quando uma droga é consumida, acontecem diversas alterações no sistema nervoso, dentre elas, a sensação imediata de prazer. Este efeito faz com que a pessoa queira repetir essa sensação, até o momento em que o cérebro aprende que é necessário ter todos os dias aquela substância para o organismo funcionar: é quando se configura a dependência[1]. Neste mesmo sentido é como a Organização Mundial da Saúde (OMS) define droga: “é qualquer substância não produzida pelo organismo que tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas, produzindo alterações em seu funcionamento”.

Conforme pesquisas, no período da adolescência existe um risco maior de contato e utilização das drogas. Ao mesmo tempo em que há mais facilidade no envolvimento com as drogas, essa fase também é a mais importante no quesito educacional, já que nela constrói-se a base da formação da personalidade, dos valores e das opiniões.

A adolescência é, ainda, um período de busca de espaço próprio e da identidade pessoal, de transformações, evoluções e, consequentemente, de atritos familiares, sendo necessário que os pais e pessoas próximas estejam atentos, pois é nesta fase que pode ocorrer o primeiro contato com as drogas.

O álcool e o cigarro, por exemplo, drogas comuns e legais para maiores de dezoito anos de idade, igualmente causam dependência. Muitos adultos e idosos têm cada vez mais abusado das drogas lícitas. Sendo assim, é necessário ter em conta que estas drogas podem causar tanto dano à saúde quanto as drogas ilícitas, se usadas de maneira abusiva.

Os remédios são substâncias necessárias para o organismo humano, quando autorizadas pelos médicos e usadas conforme a prescrição. Todavia, diversas pessoas têm utilizado medicamentos de forma abusiva e sem prescrição médica, o que também causa diversos danos.  

Entende-se, portanto, que o abuso das drogas, tanto lícitas quanto ilícitas, podem causar problemas à saúde, problemas familiares e sociais, problemas financeiros, comportamento sexual de risco, comportamento violento, risco à vida e aumento da criminalidade, já que altera as percepções e reações.

Da mesma forma, o comércio ilícito de drogas, que abastece os usuários, é um dos fatores que mais gera violência em nossa sociedade atualmente.

Ainda que possam ser apontados alguns sinais de cuidado e prevenção, a melhor forma de efetivamente verificar se alguém tem usado drogas dá-se através da realização de exames clínicos. As reações ao uso das drogas são diferentes para cada pessoa, uma vez que os efeitos das drogas no corpo humano não obedecem a uma mesma regra.

Estratégias de prevenção indicam que o encaminhamento aos serviços de atendimento é o procedimento mais adequado quando se verificam fatores relacionados a um possível uso de drogas. É importante ter em vista que uma intervenção precoce é capaz de gerar um suporte mais eficaz.

A sua responsabilidade não está só para com a sua família, e sim para com todos os que você convive. Pensar e cuidar do próximo faz bem a todos, pois conforme o lema do Departamento Estadual de Políticas Públicas sobre Drogas, “União e Solidariedade em Favor da Vida”, o esforço coletivo pode salvar vidas.

Texto adaptado para melhor compreensão do leitor.

[1] Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Conversando sobre Drogas. Brasil

SJCDH - Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos